A casta representa uma variedade que produz uvas com características específicas ou semelhantes e assim na enologia, representa os aromas transmitidos ao vinho pelas uvas que lhe deram origem. A degustação do vinho pode identificar as castas com que foram produzidos.

Em Portugal, como na Europa, são usadas numerosas castas. A vastíssima quantidade de castas nativas (cerca de 285) permite produzir uma grande diversidade de vinhos com personalidades muito distintas. O guia The Oxford Companion to Wine descreve o país como um verdadeiro “tesouro de castas locais”.

Algumas das castas tintas Portuguesas mais importantes são: Touriga Nacional, Baga,Castelão, Touriga Franca e Trincadeira (ou Tinta Amarela). Entre as castas brancas Portuguesas destacam-se: Alvarinho, Loureiro, Arinto, Encruzado, Bical e Fernão Pires. Tradicionalmente combinam-se diversas castas brancas. Na sequência da devastação causada pela filoxera em finais do século XIX, passou a ser utilizada uma casta americana como porta-enxerto das castas portuguesas. Apesar de terem características próprias, há que considerar que a mesma casta de uva poderá produzir vinhos diferentes consoante as condições em que é cultivada.